Bonecos de Santo Aleixo: Próximas datas

Estes títeres tradicionais do Alentejo parecem ter tido a sua origem na aldeia que lhes deu o nome. São títeres de varão, manipulados por cima, à semelhança das grandes marionetas do sul de Itália e do norte da Europa. Os textos tradicionais, que eram somente transmitidos por via oral, chegaram até ao presente através de sucessivas gerações de bonecreiros. Os textos resultam de uma fusão entre a cultura popular e uma escrita erudita.

Conhecidos e apreciados em todo o país, com frequentes deslocações aos locais onde tradicionalmente se realizava o espectáculo, os Bonecos de Santo Aleixo participam também em muitos certames internacionais fora do país e são os anfitriões desta Bienal que se realiza desde 1987. O lugar de representação é um retábulo, construído em madeira e tecidos floridos, reproduzindo um palco tradicional em miniatura com pano de boca, cenários pintados em papelão e iluminação própria (candeia de azeite).

Os bonecos são realizados em madeira e cortiça e são vestidos com um guarda-roupa que permite, como no teatro naturalista, identificar as personagens da fábula contada. A música (guitarra portuguesa) e as canções são executadas ao vivo.

 

FICHA TÉCNICA:

Autoria: TRADIÇÃO POPULAR | Encenação BSA | Interpretação: José Russo, Ana Meira, Vitor Zambujo, Gil Salgueiro Nave, Isabel Bilou
Acompanhamento musical: Gil Salgueiro Nave.

 

  • 20 de abril, 21h00 – Casa da Cultura, Mora
  • 23 de abril, 19h30  – Dia da inauguração da exposição no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT),  Lisboa
  • 5 de maio, 17h00 – MAAT,  Lisboa
  • 10 de maio, 21h30 – Sociedade Recreativa Sanluizense, São Luís – V.N. Milfontes
  • 11 de maio, 16h00 e 21h30 – Sociedade Recreativa Sanluizense, São Luís – V.N. Milfontes
  • 12 de maio, 16h00 e 19h00 – Sociedade Recreativa Sanluizense, São Luís – V.N. Milfontes
  • 18 de maio, 18h00 – MAAT,  Lisboa
  • 19 de maio, 16h30 – Casa da Música Jorge Peixinho, Montijo
  • 8 de junho, 18h00 – MAAT,  Lisboa
  • 9 de junho, 16h00 e 21h30 – Teatro-Estúdio António Assunção, Almada
  • 10 de junho, 16h00 – Teatro-Estúdio António Assunção, Almada
  • 23 de junho, 17h00 – MAAT,  Lisboa
  • 28 de junho,  21h30 – Cine Teatro Avenida, Castelo Branco
  • 7 e 8 de setembro, 18h30 – Sociedade Vencedora Portimonense, Portimão
  • 1 de novembro, 21h00 – Biblioteca Júlio Dantas, Lagos
  • 16 a 21 de dezembro, 18h30- Biblioteca Pública de Évora


VER&APRENDER : Horizonte

Horizonte é a história de João, um miúdo de sete anos, nascido em Paradela, Miranda do Douro, que tem o sonho de conhecer o mar. Desde muito pequeno que insiste com os pais para que lhe proporcionem essa alegria, mas dinheiro é coisa que escasseia na família e, como se não bastasse, Paradela é o ponto mais distante do mar que há em Portugal. Inconformado, o miúdo prepara uma trouxa com roupas e alimentos, ata-a a um pau e segue caminho até Esposende.

Encontra um pequeno pássaro caído junto a um sobreiro, com uma asa ferida, incapaz de voar. Pergunta-lhe se o quer acompanhar na viagem, prometendo tratar dele, e o pássaro diz-lhe que sim. Daí em diante, João vai encontrar uma série de animais pelo caminho, cada um à vez. Eles aparecem-lhe como resposta a dificuldades ou medos com que se depara, ajudando-o a superá-los.

 

Teatro Garcia de Resende

28 de janeiro, 11h00

29 de janeiro, 11h00 e 15h00


A parceria de acolhimento com o CENDREV incluí a delegação de espaços para montagens, ensaios e apresentação. Disponibilização de equipamento e de pessoal técnico, serviços de frente de casa e bilheteira do TGR, bem como apoio na divulgação e comunicação do evento.

O evento é integrado na programação no âmbito da RTCP – Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses.


Informações: (+351) 266 703 112 / Contactos
Compra de bilhetes: www.bol.pt

 

facebook.com/cendrev.teatro
instagram.com/cendrev.teatro


Bonecos de Santo Aleixo na Biblioteca Pública de Évora

Estes títeres tradicionais do Alentejo parecem ter tido a sua origem na aldeia que lhes deu o nome. São títeres de varão, manipulados por cima, à semelhança das grandes marionetas do sul de Itália e do norte da Europa. Os textos tradicionais, que eram somente transmitidos por via oral, chegaram até ao presente através de sucessivas gerações de bonecreiros. Os textos resultam de uma fusão entre a cultura popular e uma escrita erudita.

Conhecidos e apreciados em todo o país, com frequentes deslocações aos locais onde tradicionalmente se realizava o espectáculo, os Bonecos de Santo Aleixo participam também em muitos certames internacionais fora do país e são os anfitriões desta Bienal que se realiza desde 1987. O lugar de representação é um retábulo, construído em madeira e tecidos floridos, reproduzindo um palco tradicional em miniatura com pano de boca, cenários pintados em papelão e iluminação própria (candeia de azeite).

Os bonecos são realizados em madeira e cortiça e são vestidos com um guarda-roupa que permite, como no teatro naturalista, identificar as personagens da fábula contada. A música (guitarra portuguesa) e as canções são executadas ao vivo.

 

FICHA TÉCNICA:

 

Autoria: TRADIÇÃO POPULAR | Encenação BSA | Interpretação: José Russo, Ana Meira, Vitor Zambujo, Gil Salgueiro Nave, Isabel Bilou
Acompanhamento musical: Gil Salgueiro Nave.

 

Biblioteca Pública de Èvora

15 a 20 de dezembro de 2023

18h30


Bonecos de Sto. Aleixo - Museu da Marioneta em Lisboa

Guardamos um objeto artístico de enorme valia e particular importância no panorama do teatro de marionetas em todo o mundo que tem inspirado muitos novos projetos artísticos em Portugal e em muitos outros lugares do mundo. Os Bonecos de Santo Aleixo têm sido matéria de estudo para muitos investigadores que sobre eles se têm debruçado em diversas publicações.

“Auto da Criação do Mundo”, pelos Bonecos de Santo Aleixo, o primeiro espetáculo de 2023 no Museu da Marioneta. Uma criação do mundo que terá surgido
há mais de 200 anos em Santo Aleixo, no Alentejo apresentada na antiga capela do Convento das Bernardas no sábado passado.
Fotografia: José Frade/EGEAC

 

FICHA TÉCNICA:

 

Texto: Popular | Encenação BSA | Interpretação: Ana Meira, Isabel Bilou, José Russo, Victor Zambujo e Gil Salgueiro Nave, que garante também o acompanhamento musical.
 

Novembro de 2023

Museu da Marioneta em Lisboa

dia 9 às 16h00
dia 8 às 19h00


Indo Eu - Teatro de Objectos e Marionetas

Neste poema sem palavras somos convidados a ler cores, sons, imagens, formas, movimentos, turbulências e silêncios, guiados por um ser bailarino, capaz de dançar sem vergonha, e muito pouca gravidade, à medida que avança pelos imensos caminhos deste mini-mundo. “Indo Eu” é um poema que se construiu como uma melodia, procurando cada pequeno drama no acaso dos objetos que se encontram, jogam e dançam. Uma narrativa aberta por onde cada qual fará a sua viagem.

 

Ficha técnica:

Produção: Pim-Teatro 2022 | Desenho e Construção de Marionetas e Retábulo, Manipulação, Encenação: João Sérgio Palma

 

Salão Nobre do Teatro Garcia de Resende

29 de outubro, 11H00;

30 de outubro, 11H00 e 15H00


Informações: (+351) 266 703 112 / Contactos
Compra de bilhetes: www.bol.pt

 

facebook.com/cendrev.teatro
instagram.com/cendrev.teatro


VER&APRENDER : Costurando Cantigas e Histórias

Cantigas como pedacinhos de tecido, cosidas umas às outras como se fossem dias e noites. Ou como se fossem vidas. Diz a mãe à filha que “esta cantiga de embalar que te cantei há pouquinho, cantava-ma a mim a minha mãe como a mãe dela lha cantava”. Cantigas são, mas são também adivinhas, provérbios e trava-línguas, dizeres – uns – com cara de quem já foi mouro, outros que são passos de judeus. Cantigas, adivinhas, provérbios e trava- -línguas que são daqui e dali, de agora e de há tanto tempo, como mosaicos de pano que o tempo teceu e a vida coloriu, memórias de gente antiga. A tingir de vozes os tempos que hão de vir. Costurar cantigas e histórias, uma performance artística que proporciona uma experiência de contacto com o património imaterial tradicional, permitindo às crianças, pais e educadores, o alargamento dos conhecimentos sobre a música tradicional. Através de histórias cantadas, as crianças terão a oportunidade de escutar ao vivo, num alinhamento recheado de temas tradicionais, contado e cantados, canções, histórias, lenga-lengas, do aqui e do agora, interpretadas pelos personagens da Costureira e do Alfaiate de Canções.

 

Criação e interpretação: Catarina Moura e Luís Pedro Madeira

 

Salão Nobre do Teatro Garcia de Resende

24 de setembro, 11h00;
25 de setembro, 11h00 e 15h00

 

Dia 24: bilhete gratuito para crianças até aos 12 anos; restantes bilhetes: 4 €
(preço único, já aplicado desconto de 50%)
Dia 25: sessões para escolas e jardins de infâncias: 3 €
(bilhete único)


Informações: (+351) 266 703 112 / Contactos
Compra de bilhetes: www.bol.pt

 

facebook.com/cendrev.teatro
instagram.com/cendrev.teatro